quarta-feira, 15 de abril de 2009

"Faça uma lista dos grandes amigos..."

Mais uma vez, em meio a tantas coisas para fazer, eu me distraio com essas coisas bobas que pulam na nossa frente na tela do computador. O tempo está corrido, mais o passeio no Orkut é inevitável, daí, surgem alguns detalhes e lembranças e cá estou eu prorrogando ainda mais as study Question de finanças. Tenho da meia noite as seis, para que me preocupar??

Mais o que me trouxe aqui foram alguns detalhes do dia. Estava pensando na minha prima e o fato dela morar na mesma cidade e eu quase não ver ela por aí, e do nada “din Don”, era ela, com mais chocolate!

E mais tarde, procurando uns e-mails antigos meeeesmo lá de 2007 (viva o Gmail), e vi várias conversar via Google talk com um amigo, nem eu tinha noção do tanto que conversava com ele, li algumas (olha o desvio de finanças) e vi que eram sobre tudo, de futilidades à assuntos psíquicos filosóficos. E achei também um vídeo da música do Oswaldo Montenegro A lista, no meu Orkut...
Juntando tudo isso, deu pra pensar bastante na minha lista de grandes amigos. Quantos eu já não vejo mais e a minha capacidade absurda de perder amizades que significavam muito para mim.

Se a Marry não fosse minha prima e não fosse insistente me convidando para ir lá almoçar em domingos chuvosos de geladeira vazia, eu acho que tinha perdido essa amizade também.
Não faço por mal, JURO! Mais tenho meio uma trava social estranha que venho tentando concertar (sem muito sucesso).

Para começar odeio telefone, um bom papo para mim é o cara a cara! Não consigo manter uma conversa normal por telefone, para mim só se usa telefone para falar coisas rápidas, tipo “esqueci a janela aberta, ta chovendo, fecha pra mim? Valeu, te mais”
MSN e gtalk são permitidos.

Segundo, dificilmente me pego ligando para alguém para perguntar como vai o dia. Quanto a convite para eventos sociais, tenho o impulso de falar não, antes de pensar, só de me ver entrando em lugar onde não conheço a maioria das pessoas, me dá uma impressão de intrusa, sempre penso “essas pessoas não me querem aqui.”

Outro fato, se encontro as pessoas na rua tenho medo de puxar assunto e encadear uma mega conversa e ela estar com pressa, então, eu simplesmente passo e solto um oi amarelo!
Gente, quantas amizades já perdi assim! O pessoal do Waldão, do técnico, do cursinho, Cadê!?!?!?!?

“Eu ando pelo mundo, e meus amigos cadê?”

Preciso ter a coragem de falar, “pô, gosto de falar com você, vamos marcar qualquer coisa, para colocar o papo em dia?”

Além do grande azar normal que me segue, a tal lei de Murphy deve ter sido baseada em mim, a maioria das vezes que aceito convites e tento sair dessa teia q me prende, BUM, alguma coisa acontece e eu não posso ir...

Não é normal!!

Mais borá lá, se os amigos de ontem já não estão tão presentes, temos sempre os novos para tentar não errar de novo!
"Já vai longe o dia
Em que eu me entregava ao choro
E nada havia: Me anulei demais
Mas em dado instante
Despertei, pensei:
Como é importante
O que o vento traz"
(Os Paralamas do Sucesso)

3 comentários:

Mattheus Rocha disse...

Eu acho que as amizades de verdade ficam. Você pode ficar anos sem ver e/ou falar com a pessoa. Aí você a encontra na rua e parece que foi ontem que se viram pela última vez. Acho isso muito legal !!!!

Tô gostando de visitar seu Blog :)

Beijos !!!

Rui disse...

Concordo com o que o Mattheus disse!
As grandes amizades ficam, não importa o tempo que as pessoas não se veem.
Se fosse assim teria perdido muitos amigos já! Fui chamado diversas vezes de sumido por meus amigos! Bom, as vezes a correria do dia a dia não nos deixa estar junto dos nossos amigos sempre que queremos ou quando eles querem nossa companhia! Normal, infelizmente!
Não evite esses momentos... aproveite-os msm se achando um peixe fora da lagoa! Isso é só no começo, depois vc se enturma e corre o risco de fazer novos amigos! =D
Beijo

Mendes disse...

Vc é ariana? rsss