domingo, 24 de agosto de 2008

"Tira, a mascara que cobre o seu rosto..."

Mais uma vez “os meus textos da madrugada” me incomodam. Insônia estranha que já dura alguns dias. Sono durante o dia, olhos secos à noite. Já me avisaram que computador tira o sono, mas comigo não é bem assim.

Mas hoje especialmente, depois de uma festa de aniversário com bolo, salgadinho e brigadeiro, o excesso de chocolate me faz pensar em algumas coisas. Estava aqui com os meus botões e decidi viver a vida de maneira mais verdadeira. Já reparou quantas vezes a gente veste máscaras e finge ser algo que não é. A vida é uma grande peça de teatro, e às vezes a gente finge tanto que já não percebe o que é real e o que não é.

Será que tenho sido eu mesma, ou finjo ser algo diferente. Quero acordar amanhã sem máscaras e sem a preocupação de interpretar nenhum papel. Parei para pensar como nós seres humanos estamos sempre escolhendo que papel representar ao invés de simplesmente dançar conforme a música.
Desde crianças escolhemos entre polícia e ladrão, princesa ou bruxa, ranger rosa ou amarela. Estamos sempre fazendo escolha de papéis e mudar não é fácil. Pergunta pro pop do Ensino Médio o que acontece se ele decide “virar” nerd, ou ao contrário. Isso não acontece com facilidade. Não estou falando de personalidade, mas de papéis que assumimos para viver em sociedade.

Sorria para seu vizinho. Não demonstre suas fraquezas. Mostre que você é forte. Não deixe ver que você ficou triste. Finge que esta nervosa para conseguir cooperação. Fale baixo naquele lugar. Faça o papel de bom moço para impressionar. Ele gosta de pessoas felizes. Não ria tanto assim. Solte esse cabelo. Passe uma maquiagem. Ande mais devagar, com elegância. Ela não gosta de futebol. Leia o jornal para impressionar. Fale alto. Sorria mais. Fique sério. Fale. Fique. Sorria. Pense. Aja. Pule. Dance. Pare. Respire. Inspire. Finja...
Máscaras e mais máscaras se acumulam na nossa cara. E nem sabemos ao certo quem somos. Pergunte a todos que você conhece, poucos responderão com firmeza e certeza a pergunta “Quem é você?” Alguns falarão respostas prontas que colocaram no Orkut, mas na verdade estão mais perdidos que todos. Escondem tão fundo o que são que até já esqueceram a verdade.

Queria acordar amanhã (se conseguir dormir) mais eu. Sem máscaras, cara lavada. Eu, do jeito que deveria ser. O grande problema é que sou uma daquelas pessoas que não sabem responder “Quem sou eu?” e eu preciso disso para entender o que é mascara e o que sou eu. O que é real e o que é falso.

“Ser ou não ser, eis a questão”

2 comentários:

Erica disse...

oi kabeca qto tempo nao nos falamos né...hahaha...seu blog anda meio depre, ta tudo blzinha? se precisar estou aqui, nao tao perto qto gostaria mais meu coracao esta ai com vc, se precisar é só mandar email, telefonar, fazer sinal d fumaca q a gente aparece...bjos

Rui disse...

Tia Rosa (prof de 4. série): Faça uma redação com o tema "quem é você" :P

Difícil é julgar e tb ser julgado. Máscaras são postas em nós por pessoas como nós, cheias de problemas, dúvidas e incertezas.
Suas máscaras cairão quando existir o comprometimento. Basta ser vc e deixar as máscaras vestirem-te qnd for a hora certa.