quarta-feira, 30 de julho de 2008

"Eu não tenho mais a cara que eu tinha..."

Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem? (Confúcio)

Pensando nessa frase, fiquei realmente intrigada. Quantos anos me daria? Realmente não sei, acho que pra isso deveria me dividir em partes.

Se analisar minha cortinha, meu caderno da Cinderela e meus sonhos escondidos, diria eu tenho poucos anos de vida. Definiria-me como uma menininha sonhadora e idealista, que acredita na humanidade e que tem esperança. Não seria mais que uma criança.

Se olhar minha cara, minha olheira um pouco profunda, poderia julgar que já não sou tão nova, uma cara de preocupada me envelhece, e as minhas olheiras são de uma jovem senhora.

Se olhar meus pensamentos e as minhas intenções verão que tenho a idade que realmente tenho... Minhas idéias e minhas conversas com os amigos revelam meus 20 e poucos anos. Perto dos que realmente me conhecem sou o que realmente sou.

Se olhar atentamente minhas atitudes, meus conselhos e minhas ações verão que sou uma velha. Simpática idosa que mede cada gesto para não errar. Que tem medo de se arriscar, pois já arriscou quando não devia, ou nunca se arriscou mais tem medo de fazer, pois viveu até ali sem riscos. Se ouvir as musicas que ouço comprovaria esta etapa.

Se olhar dentro do meu coração, naquela parte separada ao amor verás que não tenho idade, nem dor nem nada. Este pedaço está vazio, talvez igual a um feto que ainda nem nasceu. Que não viu o mundo e nem viveu.

Ainda se olhar, outra parte nem tão escondida, se ouvir minhas ironias e entender minhas piadas, se rir comigo do que é bobo e entender que a vida sempre tem graça. Concordará que tenho a idade de uma adolescente boba com meus 13 anos de idade. Se assistir comigo aos filmes que gostos entenderá o que digo.

Sou criança, sou menina, sou jovem, sou senhora. Um pouco de cada e muito de nada. Nem eu mesmo sei a idade que eu tenho, mas às vezes queria ter menos do que aparento. Já me chamaram de imatura, de rabugenta, de infantil e até de tia velha. Mas a verdade é que nem eles sabem a idade que eu realmente tenho. Afinal, a idade que você tem é a idade que você vive?

Um comentário:

blogberona disse...

"Se olhar dentro do meu coração, naquela parte separada ao amor verás que não tenho idade, nem dor nem nada. Este pedaço está vazio, talvez igual a um feto que ainda nem nasceu. Que não viu o mundo e nem viveu." ...mas a conveniência de pensar que assim, vazio, este vácuo de energias a 87bpm chega a preencher o universo todo, um vazio que brilha em energia, transpira harmonia, e sorri, de braços abertos, para outros vácuos a 87bpm dentro do salão, esperando algum outro coração...